Fora da TV paga em SP, canais da Simba já dão mais tempo a anunciantes

Fora da TV paga em SP, canais da Simba já dão mais tempo a anunciantes

Após quase 45 dias do corte de seus sinais na maior parte da TV por assinatura em São Paulo e no Distrito Federal, a Record, o SBT e a RedeTV! estão dando “descontos progressivos” em suas tabelas publicitárias como forma de segurar anunciantes.
Segundo a coluna apurou, ainda não há fuga de empresas anunciantes, mas, sem dois mercados importantes como SP e DF, eles já estão perdendo audiência na média nacional da TV paga; com quedas no ibope que variam de 8% a 30% –dependendo da faixa horária, os canais dão aos anunciantes mais espaço em mais dias e horários.
É a estratégia para compensar o mercado publicitário com a recente perda do maior e mais importante mercado publicitário do país,São Paulo.

 
Boa parte do espaço “extra” ora cedido era destinado à divulgação das próprias programações. das emissoras Não há queda de receita publicitária, portanto, mas ela agora está bem mais diluída.
Também há pressão no mercado publicitário para que os dois lados cheguem logo a um acordo.
Vários dias, SBT, Record e RedeTV! já começaram recuperar alguma audiência também junto ao público de TV paga em São Paulo, mas ainda é pouco perto da perda ocorrida pós dia 29.
ERA UMA VEZ…
A crise entre os canais e as operadoras Net Claro e Sky já vinha desde o final do ano passado, desde a aprovação no Cade da existência da Simba –uma joint-venture destinada a defender os interesses de SBT, Record e RedeTV! conjuntamente.
As operadoras tentaram barrar a criação da empresa no órgão federal.
Os canais abertos querem ser remunerados por seus sinais digitais (a legislação permite).
As operadoras não querem pagar. A Simba então acenou às operadoras com a criação de novos canais exclusivos para a TV por assinatura.

 
A Vivo manteve as conversações e os sinais das três até o momento. A Net Claro até mantém conversas, mas em menor intensidade.
Já com a Sky não tem conversa nenhuma. Por fim, com a operadora Oi até tem conversa, mas a empresa é hoje uma tragédia financeira, portanto não tem dinheiro.
DORMIU, A ONDA LEVA…
De certa forma, os canais representados pela Simba pagam o preço por terem ignorado solenemente a TV por assinatura no país por mais de duas décadas.
Enquanto “dormiam”, a Globo dominou o setor, e hoje tem seu braço bilionário, a Globosat, como segundo maior fonte de receitas do Grupo Globo –atrás somente da TV aberta (e olhem que não muito atrás).
Todos perdem com o corte dos sinais abertos:
As emissoras porque perdem um imenso público, e justamente o de melhor poder aquisitivo; as operadoras, porque estão sendo bombardeadas nos S.A.Cs e ainda correm risco de ser obrigadas dar descontos aos assinantes (caso está em análise na Anatel e no MPF); e os telespectadores, que se veem privados de três canais que sempre fizeram parte de suas vidas –fossem assistidos ou não.

Fonte: UOL

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *